sexta-feira, 3 de maio de 2013

Oração

Olhei a janela escura, era madrugada
Tão sem luz, a terceira vigília que acabava
Olhei para os meus pés descobertos
Percebi que também meus olhos estavam abertos

Acordei! Pensei comigo mesmo
É tão raro acordar assim
Sem medo nem peso
Em uma hora que podia ser ruim

Virei, mas não dormi
Olhei a parede mas não vi
Estava determinado sem saber
Aquele momento era pra eu te ver

Falar contigo assim é tão precioso
Não estou tão controlado ou ansioso
Apenas abro o coração e falo tudo
Mostro minha angústia e mostro o mundo

De dentro de mim as vezes eu preciso soltar algo
Como uma panela de pressão eu preciso esvaziar
E com sinceridade e bastante auto-permissividade
Abrir minha mente pra, finalmente, orar

É distinto!
Esse instinto não é natural
É verdade rara, visto que não seja normal
E orei. Orei, e depois não sei

Mas quando ao amanhecer eu acordei
Minha mente já era outra
Não que não tivesse mais nada a me preocupar
Mas que não me preocupava com nada sobre o que eu pudesse orar.

* Uma simples reflexão sobre uma experiencia.